03 setembro, 2006

Consumismo aumenta entre jovens

O número de jovens endividados por conta do uso excessivo do cartão de crédito aumenta a cada ano. De acordo com uma pesquisa feita pela empresa Mastercard, houve um aumento de 12% no número de cartões entre pessoas com faixa etária 16 a 18 anos. Esse percentual é incentivado pelos bancos, que oferecem facilidades para seduzir esse nicho do mercado. “De cada 100 jovens que possuem cartão, 16 estão inadimplentes”, constata o economista do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos (DIEESE), Luís Moura.

Ofertas como contas e cartões universitários, dentre outras facilidades são exemplos de facilidades para adolescentes. As propostas tentadoras possibilitam maior crédito para os jovens que não podem pagar à vista. Segundo Luís Moura, o status-quo também influencia na aquisição do cartão de crédito. “É um diferencial numa roda de meninos de 16, 17 anos alguém sacar um cartão e pagar a conta do bar” afirmou.

Cheques sem fundos

O gasto não planejado – de acordo com pesquisas - motiva grande parte do endividamento dos jovens. “Eu faço o orçamento, mas às vezes aparece uma outra coisa que não havia planejado e compro sem saber se vou ter dinheiro para pagar”, afirma a estudante universitária Fernanda Kelli. O estouro da mesada é quase sempre constatado. “Eles precisam seguir umas regrinhas, como fazer uma lista de compras, não comprar por impulso e não gastar mais do que ganha. Isso já é difícil para um adulto, imagine para um adolescente”, lembra Moura.

Foi registrado também um aumento do número de cheques sem fundos emitidos por adolescentes. Dados do Serasa indicam que o número passou de 7% para 16%. Para Sergipe, esse fato não é significativo. Segundo o economista do Ministério da Fazenda, Idalino Souza, o volume desse tipo de transação envolvendo os jovens sergipanos ainda é incipiente para o comércio - segmento da economia que sofre maior impacto dos cheques sem fundos. O dado, segundo ele, serve apenas como fator comportamental, mas pode produzir impactos significativos na economia, caso não existam medidas contingenciadoras. “O jovem consumista de hoje poderá vir a ser o adulto “consumista” do amanhã”, conclui Souza.

Luana Messias

4 comentários:

Sônia Maria disse...

Os dados apresentados comprovam que os jovens precisam, mais do que limites, ter orientação adequada sobre seus gastos.Não basta fornecer o dinheiro é necessário ensinar como não ter problemas com a falta dele.

Sonia disse...

A sociedade de consumo oferece facilidade para aquisição de bens, mas se esquece de ensinar aos adolescentes regras para evitar o impulso que os torna consumistas.

Consumismo disse...

Olá, sou aluna do décimo segundo ano e faço parte de um grupo de área de projecto, cujo o tema é «Consumo -Causas, efeitos e hábitos de consumo». Achei o post muito interessante... O objectivo do nosso grupo é sobretudo sensibilizar a comunidade escolar e se todos os alunos se aperceberem o quanto consomem e o mal que isso provoca na natureza, penso que alguns hábitos de consumo seriam alterados.
O nosso blog tem o seguinte endereço : http://eu-consumo-eu-sou.blogspot.com/ .
Estejam à vontade para comentar, pois tudo será levado em conta para que o nosso trabalho resulte!

Anônimo disse...

necessario verificar:)