24 janeiro, 2009

Aumento da passagem de ônibus está indefinido

Após os empresários que integram o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros - SETRANSP - solicitarem à SMTT – Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito - um
reajuste na tarifa do transporte coletivo de Aracaju, dia 12 de dezembro, não se obteve mais informações concretas a respeito. As empresas de ônibus querem um aumento de 20% sobre o valor atual.

A passagem, que custava R$ 1,75, custará R$ 2,10. No entanto, a SMTT ainda não divulgou nenhuma data para que se comece a cobrar a nova tarifa, nem se manifestou sobre a aceitação, ou não, do valor especulado. A solicitação de um aumento baseia-se na justificativa de que os gastos para o transporte e com funcionários aumentaram em desproporção ao último reajuste, ocorrido em março do ano passado. Naquela ocasião, o vale transporte passou de R$ 1,65 para o valor atual.

Quase um ano se passou após o último aumento e, nesse período, os empresários alegam ter acumulado um déficit de quase 19%, resultado do reajuste de 5% no salário de motoristas e cobradores, do aumento no preço do combustível e da concorrência com o transporte clandestino, entre outros fatores. Até agora, Antônio Samarone, superintendente da SMTT, só afirmou que o aumento real das passagens será definido pela Prefeitura de Aracaju, após minuciosa análise de uma série de documentos apresentados pela SETRANSP para justificar o novo preço defendido. O índice de reajuste será definido com base no real aumento dos custos.

Planilha Tarifária

Para estimar o custo por passageiro, faz-se uma seqüência de cálculos com os dados registrados na planilha tarifária. Esta planilha é uma tabela onde se registram os componentes do custo do transporte. Há os fixos, que não variam com a quantidade de quilômetros viajados: salários e seus impostos, depreciação do capital. E os custos variáveis, proporcionais à quilometragem rodada: combustível, desgaste de peças, pneus e lubrificantes.

A tarifa é calculada dividindo-se a soma dos custos pelo IPK (Índice de Passageiros por Quilômetro). Significa, em outras palavras, a média de passageiros transportados pelos ônibus de uma cidade, a cada quilômetro rodado. Para sabermos o custo estimado do serviço, seja numa cidade, numa linha ou conjunto delas, basta dividir o custo do quilômetro rodado pelo número de passageiros por quilômetro (IPK). Desse modo, quando a planilha tarifária não é observada, o transporte público, inevitavelmente, perde qualidade, fato que vem ocorrendo ao longo dos anos.

Saiba mais em:
www.aracaju.se.gov.br/smtt

www.setransp-aju.com.br

Por Gabriel Cardoso

5 comentários:

Anônimo disse...

poxa! a edição n ficou legal.
se o editor responsável quiser entrar em contato, pra gente arrumar o texto, é só me adicionar no msn: gabriel.roots@hotmail.com

Gabriel

Michel disse...

oxente e pq a matéria tá sem nenhuma citação de entrevistado?

Anônimo disse...

Observou bem, Michel. Eu até liguei pra SETRANSP, só que a funcionária que me atendeu disse que nada tinha sido decidido ainda. Tentei cavar um pouquinho, mas msm assim ela n me adiantou nada. Acabei usando notícias velhas como fonte.

Gabriel.

Anônimo disse...

e pode fazer isso em uma matéria, ta mais pra um resumão né nao?

Anônimo disse...

Sim. Fiz o que pude.

Gabriel.