15 fevereiro, 2007

Estágios facilitam o ingresso de estudantes no mercado de trabalho

Kathyanne Santana é formada em Administração pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Trabalha como auxiliar de Departamento Pessoal em uma indústria em Aracaju. Mas para conseguir este trabalho, Santana estagiou primeiro em uma fundação. “Foi justamente por eu ter estagiado na área de gestão de pessoas que, hoje, eu estou trabalhando nesta firma”, destaca Santana. Ela conseguiu este estágio por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe – Fapese.

Fapese

A Fapese tem por finalidade apoiar, promover, executar e subsidiar programas e atividades da UFS e de outras Instituições de Sergipe, consideradas relevantes para o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico e social do Estado. Entre as ações da Fundação está o Programa Especial de Estágios nas Empresas, que tem o objetivo de integrar o estudante ao mercado de trabalho. “Para isso estamos em constante contato com empresas e com possíveis locais que dêem essa abertura para que o aluno tenha uma experiência profissional”, segundo a Coordenadora de Estágios, Lucineide dos Santos Feitosa.

De acordo com a Coordenadora, a Fundação busca as empresas e estas determinam o perfil do estagiário de que necessitam para que a Fapese faça uma pré-seleção em seu banco de alunos e os encaminhe para a entrevista. “A Fundação faz a ponte, a intermediação para que o aluno tenha a oportunidade de colocar em prática àquilo que ele apreendeu na teoria”, explica Feitosa.

Tanto alunos quanto empresas podem se cadastrar no endereço http://www.fapese.org.br/ ou se dirigir ao Espaço Fapese, localizado no Shopping Riomar, em Aracaju. A Fapese já encaminhou 25 estudantes para estágios e seu banco de cadastros conta, atualmente, com 2.200 alunos e 33 empresas inscritas. “Estamos num processo de expansão, mas ainda falta muita divulgação dos nossos serviços” – declara Lucineide Feitosa – “E durante este ano estaremos investindo em divulgação na UFS para os calouros e também em outras instituições de ensino, além de procurar novas empresas para cadastro”.

Codex

A Coordenação de Expansão (Codex), vinculada a Pró-Reitoria de Extensão (Proex) da UFS é a responsável pelo cadastro e encaminhamento de alunos da instituição a estágios, sejam eles obrigatórios ou não. Os obrigatórios são os estágios curriculares que são pré-requisitos à formação do universitário. A Codex também faz o contato com as empresas para firmar convênios.

Segundo Elizabeth Azevedo, coordenadora da Codex, existem 321 empresas cadastradas no banco de dados da Coordenação e mais de 1.800 estudantes estagiando em empresas conveniadas.

O estudante pode se cadastrar na secretaria da Codex, no andar superior da Reitoria, no Campus de São Cristóvão ou via on-line (http://www.sipex.ufs.br/). Para Azevedo, “muitos alunos da UFS não tem conhecimento dessa oportunidade de estágio e não se inscrevem no programa”. Além desse serviço, a Codex é responsável também por outros eventos, cursos de extensão e projetos como o “Posso Ajudar”, que oferece assistência aos pacientes do Hospital Governador João Alves Filho, sob a orientação do professor José Arnaldo Palmeiras. Ainda segundo a coordenadora da Codex, o projeto “Posso Ajudar”, que recebeu em 2006 o Prêmio Nacional de Saúde, conta hoje com 174 alunos voluntários das áreas de Psicologia, Enfermagem, Medicina e Jornalismo.

Para mais informações acesse:

Fapese
Sipex


Por Valter Lima
Valter_lima_12@hotmail.com

Um comentário:

Antcho disse...

A prática do estágio é importante sim, concordo com a Kathyane, ampliando seu ponto de vista. As experiências alcançadas durante o período de execução do estágio são fundamentais para a formação do futuro profissional. Parece piegas, mas levando em consideração alguns fatores como: vinculação do estágio com a área de conhecimento do aluno (principal), boa orientação, reciprocidade entre o instrutor e o aprendiz, dialogo, aceitação de novas idéias, dentre outros, culminará num maior desenvolvimento profissional.

Renê